Nanna Pretto

Você pode fazer do seu filho um bom menino

Por Nanna Pretto
Por: LIFETIME Brasil

Eu não poderia deixar essa semana passar sem falar nas inúmeras crises que tenho acompanhado das mães de meninos. Depois de um estupro coletivo, como eu posso criar um filho sem esses precedentes machistas? Aposto que você está aí já lembrando quantas vezes falou, mesmo que sem querer, frases como: “meu filho vai pegar sua filha”, “eles serão namoradinhos”, “anda feito homem, menino!”, “Para de ser menininha e engole esse choro!”.

 

Eu confesso: peguei ar e me concedi algumas chibatadas por momentos que eu repeti mesmo que sem querer, frases assim para o meu mais velho.  Não pode, não pode e não pode. Repita comigo e escreva na lousa. 50 vezes se preciso.

 

O mais louco é que precisa uma barbárie acontecer para a gente se dar conta do monte de besteiras que falamos para os filhos. Mesmo que sem querer. A nossa cabeça tende a ser machista, é cultural. Quer ver uma coisa?

- Seu filho cai na escola e se machuca. Para quem a professora liga primeiro?

Para a mãe.

- Tem que dar vacina nas crianças. Quem avisa ao chefe (olha aqui, não poderia ser A chefe?) que chegará mais tarde?

A mãe.

- O filho quer dormir na casa de um amiguinho. Para quem ele pergunta primeiro?

A mãe.

- Você recebe um convite de casamento. O nome de quem está escrito primeiro?

O do pai.

 

Vê como nada nos ajuda a mostrar para as crianças que eles precisam ser diferentes? Temos que nos reinventar, que pensar em novas formas de educar esses meninos sim, mas sem terror. Se você estabelecer uma base de princípios e valores éticos, ensinar sobre respeito e bom senso, certamente seu filho não passará a mão na bunda de uma menina sem permissão, não forçará uma dança no bailinho da escola ou não chamará a menina de feia, gorda e bizarra se ela não der bola para ele.

 

É desaprender aquilo que entendemos como certo (O chefe da família, O chefe do trabalho, A dona de casa) e ensinarmos aos meninos que tudo pode ser diferente.

 

Rosa fica legal nos meninos.

Azul é bacana nas meninas.

A mãe precisa trabalhar assim como o papai.

Hoje quem faz o jantar em casa é a mamãe, mas amanhã será o papai.

E sim, eu vou ao jogo de futebol com vocês.

 

Quando se tem respeito e admiração, e quando sabemos como passar isso para as crianças, a gente tem um poder de ensiná-los a pensar diferente. Fazer diferente. Combater o machismo é a pontinha de um iceberg. Aquilo que vemos e que está imerso em nosso dia a dia. O contexto de vida no qual o seu filho está inserido é muito mais importante. É isso que precisa ser avaliado.

 

E não precisa lançar o terror para as mães de meninos. Calma, a gente vai tentar fazer diferente! Conseguindo fazer com que eles entendam o que é bom senso e respeito, já damos um passinho para toda essa mudança. De cultura e de pensamento.

 

 


 

Nanna Pretto Nanna Pretto é jornalista, baiana, casada com paulista e mãe de dois meninos.
É autora do blog Dica de Mãe, que deu origem ao livro “101 coisas que você precisa fazer com seus filhos antes que eles cresçam”. É corredora há mais de 15 anos e tenta fazer da ioga e do ballet um hábito. Ama seriados, reality shows e reprises de filmes.


FACEBOOK: dicademae / nannapretto
INSTAGRAM: @nannapr | TWITTER: @dica_de_mae