EMPODERAMENTO

A verdadeira luz por trás dos “estigmas” femininos

Cinta Tort Cartró usou tinta e glitter para destacar as partes e as funções do corpo feminino pelas quais já disseram alguma vez às mulheres que elas deveriam sentir vergonha, o que também as condicionou e as afetou na representação dos seus corpos: as estrias e a menstruação.

 

Sua missão com essa arte é acabar com o estigma.

 

Cinta vive em Barcelona e tem 21 anos. Ela usa as cores vibrantes do arco-íris para destacar as estrias na pele e para revelar a beleza da menstruação na roupa íntima.

Cinta afirma que sua jornada em direção ao amor próprio começou recentemente: “Nem sempre me senti confortável com minha menstruação e com as estrias. No geral, nunca me senti segura com meu corpo. Ao longo dos anos, e depois de uma reflexão interna, me dei conta de que se não aceitasse nada do meu corpo – o cabelo, as estrias –, eu nunca seria capaz de me amar ou de me aceitar”.

 

Como parte das reivindicações das mulheres reais, movimento cada vez mais presente na América Latina, as pessoas do sexo feminino e as marcas de seu corpo foram exibidas orgulhosamente em fotos e anúncios, como se quisessem dizer que não há nada demais ali e que a maioria das mulheres possui esses atributos – que são parte essencial de seu corpo e de sua beleza.

 

Na criação dos estereótipos de beleza, as características corporais podem causar problemas em algumas pessoas. Por isso, Cinta reafirma incessantemente que a experiência feminina não é, em absoluto, algo pelo qual as mulheres devam sentir vergonha.