MOMENTO LIFETIME

Não, não é uma fase! Mulheres que decidem não ser mães

Razões, alegrias e pressões das (cada vez mais) mulheres que escolhem não ter filhos
Por: LIFETIME Brasil

Até não muitos anos atrás, a maternidade parecia ser o destino natural de qualquer mulher. Porém, é cada vez maior o número de mulheres que se atrevem a tomar as rédeas de sua vida e questionar um dos pontos mais arraigados do machismo: a maternidade obrigatória. Longe do estereótipo da solteirona amargurada, essas mulheres defendem a ferro e fogo sua liberdade de escolha.

No mundo das celebridades, Jennifer Aniston é uma das porta-vozes dessa nova geração de mulheres. Cansada dos falsos boatos de gravidez e da perseguição implacável dos pararazzi, a atriz publicou, no final do ano passado, uma carta na qual dizia: “Estamos completas com ou sem um parceiro, com ou sem filhos. Decidamos por nós mesmas (...). Não é preciso casar ou ser mãe para se sentir completa”. Outras estrelas, como Cameron Díaz, Renée Zellweger e Oprah Winfrey também manifestaram sua decisão de não ter filhos.

Os especialistas afirmam que o fato de a maternidade ser uma escolha e não uma imposição social não só beneficia quem não quer se reproduzir, mas também o resto das mulheres, já que ter opções permite que aquelas que desejam ser mães cheguem à maternidade motivadas por sua vontade genuína e não pela pressão do seu entorno. Desse modo, melhora não só a qualidade de vida as mulheres, mas também garante infâncias mais felizes às crianças que estão por vir.

 

No entanto, ainda há um longo caminho a ser percorrido. As mulheres que se atrevem a manifestar sua vontade de não ser mães ainda precisam lidar com o assédio constante de familiares e amigos. Felizmente, são cada vez mais as que se encorajam a responder: “Não, não é uma fase. Não quero ter filhos. Serei a tia aventureira que trará presentes exóticos aos seus filhos de países distantes”.

 

E você, conhece mulheres que decidiram não ter filhos?