MOMENTO LIFETIME

A incrível jornada da ex-faxineira que se tornou juíza de Direito

Adriana Maria Queiroz acaba de lançar um livro contando sua história!
Por: LIFETIME Brasil

Não perca a nova temporada de  JANE THE VIRGIN. ESTA QUARTA, às 21h10.

Negra, pobre, filha de retirantes nordestinos, Adriana Maria Queiróz, 38, parecia fadada ao que milhares de pessoas nas mesmas condições vivem hoje em dia: trabalhar na “base da pirâmide social” por falta de oportunidades de crescimento.


Mas essa é uma surpreendente história de luta e superação. E com um final feliz.  


Resolvida a mudar a realidade em que vivia, Adriana arregaçou as mangas e foi em busca de seu sonho: estudar Direito. No princípio teve que trabalhar como faxineira na pequena cidade de Tupã, a 450 km de São Paulo, para ajudar a pagar a faculdade. Nesse momento sentiu na pele a dor do preconceito. 


“Muitos me ridicularizavam por limpar o chão e estar frequentando a faculdade de Direito. Algumas pessoas insinuavam que lugar de pobre e negro é limpando o chão e não na faculdade. Ainda mais a de Direito.”


Mesmo depois que obteve o diploma, Adriana não sossegou. A meta agora era virar juíza de Direito – atividade que, segundo ela, poderia ajudar a interferir positivamente na vida das pessoas em contexto de injustiças sociais. 


Ela sabia que a jornada não seria fácil. Para se preparar para o concurso público, que é concorridíssimo, veio a São Paulo fazer um cursinho específico. Vivia com o pouco dinheiro de um emprego que largou para se dedicar exclusivamente aos estudos. 


Em 2011, o sonho finalmente virou realidade: Adriana foi aprovada para a função de juíza da 1ª Vara Cível e da Vara de Infância e da Juventude de Quirinópolis, no interior de Goiás. 


Hoje ela figura entre os pouco mais de 15% de pessoas negras que atuam na área do Direito.


Seis anos depois de assumir o cargo, a juíza lança um livro com sua história de luta:  Dez Passos Para Alcançar Seus Sonhos – A História Real da Ex-Faxineira que se Tornou Juíza de Direito (Ed. Novo Século).  


O conselho de Adriana é bem simples: “Não devemos permanecer estagnados em condições desfavoráveis se podemos desafiar nossas limitações e sair em busca de melhores condições”. 

 


Fonte: Claudia 

Imagem: Divulgação