MOMENTO LIFETIME

A história real que inspirou "Atos Profanos"

Imagine um jovem casal cristão. Ambos são bonitos e bem sucedidos, respeitados na sua comunidade. Imagine um casamento dos sonhos, com a noiva radiante em seu vestido branco e o noivo sorrindo para as câmeras. Agora imagine um final terrível para tudo isso.

 

“Atos profanos” tem todos os ingredientes necessários para te manter em frente ao televisor, ainda mais se você sabe que o filme é baseado em uma história real cheia de sexo, mentiras e orações. Esse é o caso que inspirou a ficção:

 

Na manhã de 30 de Outubro de 2012 o corpo de Bethany Deaton foi encontrado no banco de trás do seu carro, em um estacionamento na cidade do Kansas, nos Estados Unidos. A cabeça do cadáver estava coberta com um saco plástico e no local havia provas suficientes para crer que a jovem havia sofrido uma overdose de psicotrópicos.

 

Antes de morrer, Bethany, de 27 anos, fazia parte de um grupo cristão extremista e havia casado com Tyler Deaton, líder da seita, havia poucas semanas.

 

O caso foi inicialmente enquadrado como suicídio, uma vez que perto do cadáver foram encontrados remédios para dormir e uma enigmática nota de despedida. Mas a história não termina aí.

 

Dias depois da morte, um integrante do grupo religioso fez uma declaração ao departamento de policía que mudou completamente o rumo da investigação. O caso de repente estava cheio de perguntas e dúvidas, e algumas delas até hoje não foram esclarecidas.

 

Qual você acha que foi a verdadeira causa da morte de Bethany? Se quer descobrir, não perca “Atos profanos”, hoje, às 22h, no Lifetime.