MOMENTO LIFETIME

Famosos e vulneráveis: 5 músicos que morreram de overdose

Cinco histórias trágicas de músicos e drogas
Por: LIFETIME Brasil

A incrível vida das estrelas da música nem sempre é tão incrível como aparenta ser. Fatores como a pressão e a exposição constante fazem com que, para muitas delas, seja difícil seguir o ritmo, cedendo a vícios e excessos de todos os tipos. Alguns músicos reconhecidos conseguiram transformar toda essa obscuridade em arte, enquanto outros, como estes cinco, não viveram para contá-lo:

 

 

O papel de Cory Monteith na famosa série “Glee” não lembrava em nada sua vida real. Desde muito jovem, o ator e cantor lutou contra o vício em drogas, que o levou a abandonar os estudos aos 16 anos de idade. Em março de 2013, ele decidiu entrar para uma clínica de reabilitação, mas, poucos meses depois, morreu em um hotel em Vancouver por causa de uma overdose de heroína e álcool.

 

Michael Jackson se consagrou como um dos músicos mais talentosos e influentes da história, embora o sucesso e a fama não tenham vindo sozinhos. Ele morreu em junho de 2009, aos 50 anos, antes do início da aguardada turnê “This Is It”. A causa: uma parada cardiorrespiratória, provocada pela intoxicação por propofol, um anestésico de curta duração.

 

 

O mundo perdeu uma de suas grandes vozes em 11 de fevereiro de 2012. Trata-se de Whitney Houston, ícone do R&B e do soul. A causa de sua morte, ocorrida em um hotel de Beverly Hills, foi inicialmente alvo de controvérsia, mas investigações posteriores mostraram que a cantora havia ingerido uma quantidade excessiva de fármacos, como Xanax, Valium e Lorazepam.

 

Com seu talento vocal e sua originalidade, Amy Winehouse abriu as portas para toda uma geração de mulheres que conseguiram encontrar um lugar na competitiva indústria musical. No entanto, antes de colher os frutos do seu trabalho, sua vida teve um final trágico. Ela morreu por causa de uma síndrome de abstinência, provocada por um vício grande em várias substâncias, em julho de 2011, aos 27 anos de idade.

 

Apesar de uma atitude única e de sua capacidade de impactar e emocionar o público em cada show, Janis Joplin era uma mulher completamente diferente fora dos palcos: sua insegurança e sua baixa autoestima causavam nela um sofrimento profundo, difícil de suportar. Essa dor a acompanhou até a sua morte, provocada por uma overdose de heroína, em 4 de outubro de 1970.

 

Se você pudesse ressuscitar algum desses artistas, qual seria?

 


IMAGENS: Wikimedia Commons