MAIS LIFETIME

Ela é um gênio da física, mas a internet só se preocupa em criticar seu cabelo

O campeonato universitário, que acontece no Reino Unido, é um dos mais importantes do mundo porque revela jovens talentosos em áreas que vão desde a citogenética até a gastronomia. 

Mas para muita gente, inteligência, inovação e ciência ficam em segundo plano, bem atrás das aparências. 

Foi o que aconteceu com a estudante Freya Whiteford, que estuda Física e Astrofísica na Universidade de Glasgow, na Escócia. Ela virou objeto de crítica no Twitter por causa do seu cabelo – acredite se quiser!

De uma hora para outra, Freya  se viu bombardeada com comentários do tipo: “Parece uma cortina”, “Queria passar um hidratante aí”.

Mas ela não se deixou abater. Com inteligência e humor, desqualificou os comentários com um singelo “tô nem aí”: “A quem está me perguntando, eu digo que sim, eu posso esconder uns 12 lápis embaixo do meu cabelo – desde que estejam bem arrumados”. 

O episódio abriu brechas para que as duas únicas estudantes que participavam do evento falassem da forma sexistas como as mulheres são percebidas pelo público em um espaços como esses. 

A partir daí, Freya passou a receber apoio nas redes sociais. “As respostas foram melhores do que eu esperava, mas esse episódio diz muito sobre as dificuldades de ser uma garota em um universo essencialmente masculino – é como se eu não pertencesse ao grupo só por ser mulher”, escreveu. 

Grupos estudantis agora passaram a pressionar as universidades para que mais mulheres, transgêneros e estudantes não-binários tenham maior participação em eventos do porte do campeonato universitário. 


Uma viagem para pôr o relacionamento à prova: AMOR COM ESCALAS - Terça, 20h40


Fonte: Independent | Imagem: BBC/Reprodução