MAIS LIFETIME

Depois de um ataque cardíaco, ele resolveu conhecer sua mãe biológica e teve a maior surpresa da vida

No dia em que quase morreu de um ataque cardíaco, em 2005, o coronel Bruce Hollywood, das Forças Armadas dos EUA, fez uma resolução caso sobrevivesse: iria procurar por sua mãe biológica no Japão.

Ele queria agradecê-la pessoalmente por tê-lo dado, em 1960, a pessoas tão legais como seus pais adotivos.

Bruce foi adotado por um casal que trabalhava na base militar dos EUA no Japão e lhe deu uma ótima vida nos Estados Unidos.  

“Sempre soube que era adotado porque tenho traços asiáticos, meu pai era irlandês e minha mãe, norueguesa”, explica Bruce, hoje com 57 anos. 

A certa altura, a família lhe deu o nome de sua mãe biológica e até ofereceu passagens para o Japão, mas ele sempre recusou a oferta. 

Depois do ataque cardíaco, a coisa mudou de figura. Ele começou a buscar a mãe, mas teve dificuldades de encontrá-la. Pediu ajuda da embaixada dos EUA no Japão, mas não conseguiu pistas suficientes.  

Meses depois, um encontro casual com um amigo mudaria para sempre sua vida. Bruce comentou sobre sua busca e o amigo, cuja mãe também é japonesa, prometeu ajudá-lo. 

Prometeu e cumpriu. 

Dez dias depois do encontro, o telefone de Bruce toca. Era da embaixada japonesa. 

“Coronel, temos o prazer de informar que encontramos sua mãe, Nobue Ouchi”, relembra. Ele diz ter pedido ajuda para escrever uma carta, mas a voz do outro lado avisou que sua mãe ligaria para ele dali a alguns minutos.  

Detalhe: Nobue não falava inglês! 

Rapidamente, Bruce encontrou um intérprete e, ao atender a ligação da mãe, percebeu que ela estava muito emocionada. 

O intérprete falou então que no dia seguinte seria aniversário de 65 anos da mãe e o presente que ela sempre sonhou era conhecer o filho. 

Na mesma ligação, o coronel teve uma das maiores surpresas da vida: descobriu que há décadas a mãe era dona de um pequeno restaurante chamado “Bruce”,  em homenagem ao filho. 

 

 

Nobue soube que o filho se chamaria Bruce porque a mãe adotiva lhe deu uma foto do pequeno, já como nome americano, para que ela se lembrasse sempre dele. 

Dez dias depois do telefonema, Bruce chegava a Shizuoka, no Japão. 

Nobue lhe contou que, na época, teve um romance com um militar americano. Quando estavam se preparando para o casamento, ele foi enviado em uma missão e nunca mais deu notícia. 

Na época, seria impossível criar um filho mestiço sozinha no Japão, por isso ela optou pela adoção. 

Do momento em que se encontraram, a mãe não tirava o filho de vista. Quando ele saía para sua corrida matinal, ela ia atrás dele, de bicicleta. Hollywood foi muitas vezes ao Japão e até chegou levar a mãe para os EUA. 

Em 2009, três anos após a reunião, Nobue morreu vítima de ataque cardíaco.

“Se eu não tivesse sobrevivido àquele ataque cardíaco, eu não acreditaria no que vivi na sequência”, diz ele. 


Toda quarta, a partir das 21h10, tem episódio de tirar o fôlego de THE NIGHT SHIFT. Não perca!


Fonte: The Washington Post  | Foto: Bruce Hollywood/Cortesia