MOMENTO LIFETIME

Ainda falta um bocado, mas as mulheres estão, sim, mudando o mundo!

A luta das mulheres por respeito e igualdade de oportunidades está mudando o mundo. No último ano, movimentos como #MeToo e Ni Una Menos foram capazes de expor o terrível flagelo do assédio sexual sofrido por mulheres e pôr em xeque toda uma cultura que apoia e permite violências desse tipo.

Em todos os cantos do mundo, as mulheres estão se encontrando para exigir a igualdade de gênero, mas, embora as vozes sejam ouvidas com cada vez mais força em todas as esferas da sociedade, ainda falta bastante para acabar com a diferença de gênero.

Lamentavelmente, os números oficiais confirmam esse cenário:

• De acordo com os últimos relatórios publicados pelo Fórum Econômico Mundial, na América Latina, 168 milhões de pessoas vivem abaixo da linha da pobreza, sendo as mulheres, e em especial as de ascendência indígena ou negra, as que mais sofrem. 

• Em média, as mulheres são escolarizadas por 3,2 anos menos que os homens, o que, somado aos altos índices de gravidez adolescente, diminui suas chances de ter acesso a um emprego digno.

• Com relação ao trabalho, na América Latina, estima-se que a brecha salarial de gêneros é superior aos 17%. Isso significa que, somente pelo fato de serem mulheres, as trabalhadoras ganham 17% menos que seus colegas do sexo masculino,

• Fora do trabalho, a lista de injustiças continua: ainda somos nós que realizamos grande parte das tarefas domésticas e de cuidado a crianças, um trabalho não remunerado que se soma à exaustiva vida laboral.

Mas nem tudo está perdido! Embora as estatísticas sejam desanimadoras, as grandes mudanças são alcançadas aos poucos. Por isso, as mulheres continuarão exigindo do governo leis que protejam e impulsionem o crescimento igualitário.

Não perca a nova temporada de UnReal. Segunda, 22h50.