MAIS LIFETIME

Adeus, chapinha! Brasileiras aderem (finalmente) ao cabelo natural!

De acordo com dados do IBGE, o Brasil tem 53,6% de sua população composta por pessoas negras ou pardas. 

Mas, por aqui, o padrão de beleza eurocêntrico adotado pela indústria de cosmético fez com que o país se tornasse uma potência mundial em alisamento de cabelos crespos. 

E por muitas décadas foi assim. Era comum ver cenas de pessoas em salões, bocas e narizes tapados, para evitar respirar os vapores que os produtos químicos para alisamento exalavam – muitos à base de formaldeídos. Boa parte das mulheres negras já alisavam o cabelo há tanto tempo que nem sabiam mais como era forma natural. 

Agora, ao que parece, essa tendência finalmente ficou para trás e cada vez mais brasileiros estão adotando seus cabelos naturais! 

E sabe por que essa é uma boa notícia? Porque é sinal de que há, efetivamente, um empoderamento de pessoas negras por aqui, o que ajuda a assumir as características naturais de cada um! Assumir o cabelo crespo significa abraçar origens e se orgulhar delas.

O resultado disso já aparece nas estatísticas: 

• O número de pessoas que se identificam como negras ou pardas cresceu 15% em quatro anos, de acordo com o Censo de 2016.

• O mercado de produtos de beleza para pessoas negras cresce 20% ao ano – muitos deles voltados a quem está fazendo a transição do cabelo alisado para o natural. 

• A busca por “cabelo afro” no Google triplicou em dois anos. 

Claro que nem tudo está perfeito. O desequilíbrio racial ainda é notório no país, com pessoas brancas ganhando 50% a mais que as negras. Além disso, negros e pardos ainda são 70% do total de assassinados por aqui. 

Nesse contexto, o cabelo afro se torna muito mais que um estilo: é um símbolo de resistência, um ato político. 


Já está no ar a nova temporada de PROJECT RUNWAY - toda quinta, 21h30! 


Fonte: Washington Post