THE POP GAME

5 grandes fraudes do Pop (e uma fraude-bônus)

Às vezes o tiro acerta o próprio pé.
Por: LIFETIME Brasil

A indústria bilionária do pop está repleta de gente querendo garantir um brilho a mais debaixo dos holofotes, mesmo que para isso tenha que apelar para alguns truques que, vez ou outra, acabam vindo à tona. 


É o caso dos cinco artistas que separamos abaixo. Todos eles têm uma história de vergonha alheia para contar.  


1. Selena Gomez

A cantora foi pega em flagrante fazendo playback num show na cidade de Fairfax, no estado da Virgínia, nos EUA. A farsa foi descoberta porque, enquanto dançava no palco, a cantora não percebeu um degrau e caiu. O estranho é que a voz continuou alta e contínua, como se nada tivesse acontecido. No vídeo dá para perceber o grito da artista no momento do tombo. 

2. Frank Sinatra

Sabe aquelas fãs fervorosas, muito comuns em meados do século passado, que gritavam enlouquecidas pelo seu ídolo até desmaiar? Pois é, algumas delas foram pagas para interpretar esse papel. Um dos precursores dessa moda foi Frank Sinatra. Em 1942, seu assessor contratou um grupo de meninas animadíssimas para dar a impressão de que Sinatra tinha tietes fervorosas. A moda pegou e até o empresário dos Beatles fez o mesmo. 

3. Katy Perry

Em um show realizado em 2011 em Manchester, na Inglaterra, Kate Perry quis dar uma de diferentona e protagonizou um vexame daqueles. A cantora se propôs a tocar uma flauta no palco, mas errou a sincronia do playback, passou vergonha e teve que admitir, diante da plateia, que não sabia tocar o instrumento. Ainda bem que ela teve bom humor para sair da situação.

4. Technotronic

A cantora do grupo belga responsável por um dos grandes hinos dos anos 80, Pump Up the Jam, na verdade é, em parte, uma fraude. É que a dona da voz da música, conhecida como Kid K, ficou nos bastidores por ser menos atraente que Felly Kilingi, a modelo que deu cara à banda.


Além de não ter uma imagem “vendável”, Kid K era menor de idade na época. Quando o grupo explodiu nas paradas de sucesso, ficou difícil sustentar a fraude por mais tempo. No segundo disco, tentaram consertar o erro, mas o estrago já estava feito. 

5. Milli Vanilli

Esse é talvez um dos casos mais conhecidos de fraude pop. O duo, formado por um francês e um alemão, tinha tudo o que o mercado queria na época: uma aparência singular, movimentos corporais e muito sex appeal. Faltava, no entanto, o essencial: a voz. Para resolver o problema, os produtores contrataram cantores-fantasma. Tudo que Rob Pilatus e Fab Morvan tinham que fazer era dançar e dublar. Venderam milhões de discos e ainda foram agraciados com um Grammy. Descoberta a fraude, tiveram que devolver o prêmio e viraram motivo de piada no mundo todo. Eles chegaram a gravar um disco com suas vozes verdadeiras, mas não convenceram. Deprimido, Rob acabou morto por overdose anos depois.

Fraude-bônus: Michael Jackson

Bom, a fraude aqui não é culpa do rei do pop. Após sua morte, em 2009, chegou ao mercado um disco com algumas de suas músicas inéditas, teoricamente “não finalizadas”. O lançamento foi criticadíssimo por amigos e familiares. A triste verdade veio à tona mais tarde: algumas delas sequer tinham sidos cantadas por Michael, e sim por Jason Malachi, um artista que tem um timbre parecido. A fraude se tornou pública a partir de uma conversa em vídeo com Paris Jackson, filha do cantor. Pouco depois o próprio Malachi confessou o truque. 

 


Fonte: El País 

Imagem: Wikipedia Commons